CHAT - JOVENES - LA ROCA DE HOREB

Author: Missão Venezuela
•12:59

Autor: Rubens Muzio


Num dos seus últimos artigos[1], David Bosch escreve sobre 5 diferentes tradições na relação entre igreja e autoridades civis. Baseado no Kairos Document encabeçado por um grupo de Teólogos da África do Sul, Bosch descreve 5 atitudes quanto ao governo que poderiam ser chamadas de "Constantinista", "Pietista", "Reformista", "Liberacionista", e "Anabatista".



Eu compreendo que essas 5 categorias não descrevem apenas a relação entre igrejas e governos, como originalmente sugeridas por David Bosch, mas também podem agir como plataformas para avaliação das diversas formas de relacionamentos entre a igreja, a culturas e a missão. Elas são formas de pensamentos que influenciaram a igreja em diferentes períodos. Todos os cinco modelos, obviamente, apresentam suas vantagens e desvantagens. Nenhum deles deve ser visto isoladamente.

O primeiro modelo é chamado Constantinista. Ele exemplifica um tipo de teologia do estado, um modelo que pressupõe uma relação íntima entre igreja e estado, entre organização religiosa e a cultura da época. Esses líderes admiram o status quo, seus valores, tendências, estilos de vida, suas relações e classes sociais. Eles procuram estar próximo ao centro da cultura. A igreja procura manter uma relação íntima entre trono e altar semelhantemente aos tempos que se iniciaram quando Constantino legalizou e religião cristã no quarto século.


O segundo é o modelo pietista. Nesta perspectiva, religião e estado estão completamente separados um do outro. A missão está estritamente interessada nas necessidades espirituais das pessoas. Questões sociais, políticas, econômicas e culturais não são da alçada da igreja. A igreja é apolítica, voltando-se exclusivamente para as questões do mundo espiritual. Líderes com esta mentalidade podem até mesmo construir hospitais, creches e escolas. Entretanto, a principal função deles é adicionar membros à igreja através da utilização das mais variadas técnicas evangelísticas. Não trabalham duro para transformar o mal estrutural da sociedade.


Ambos modelos constantinista e pietista, pois tem como pressuposição o distanciamento e desarraigamento da fé cristã com as coisas desta vida. O que acontece no mundo, nas nações e culturas tem pouco ou nada a ver com a igreja-em-missão, seus líderes e ministérios.


O terceiro modelo é o reformista. Os reformistas na sua maioria procedem das igrejas protestantes históricas e evangelicais. Eles enxergam a missão da igreja como sendo essencialmente salvação de almas e plantação de igrejas. Certamente, isso também inclui o fortalecimento dos valores sociais e morais, mas não é prioridade da igreja. Há algo de muito atraente neste modelo. Frequentemente, ele impulsiona justiça, liberdade e prosperidade. Entretanto, os reformistas tendem a permanecer à mercê da boa vontade do governo. Além disso, esses líderes funcionam melhor em contextos onde pertencem às classes mais privilegiadas da nação. Bosch acredita que a posição reformada, apesar de ser convincente como cristã pela sua aparência espiritual, não consegue detectar imediatamente o mal estrutural intrínseco presente nas culturas e sociedades humanas.


O quarto modelo é chamado liberacionista. Ele advoga a confrontação direta com as forces do mal ao invés de reconciliação com o pecado. Missão significa uma opção preferencial pelo pobre e oprimido. Suas atividades são missionárias e evangelísticas não no sentido de conversão dos não-cristãos à fé evangélica, mas no sentido de restauração da credibilidade do evangelho no meio dos pobres e marginalizados, mobilizando-os na luta contra a injustiça. A função principal da igreja é o confronto e denúncia da cultura e libertação das vitimas e oprimidos.


O quinto modelo é o anabatista, em homenagem ao ramo anabatista descendente da Reforma do século XVI. A tarefa principal da igreja é simplesmente ser igreja, uma verdadeira comunidade de crentes comprometidos que, pela sua própria existência e exemplo, tornam-se um desafio para a sociedade e cultura. Missão significa implantação de igrejas que abracem este padrão de conduta. A igreja é um tipo de anticorpo na sociedade, vivendo como uma comunidade alternativa, engajada num estilo de discipulado radical.



MIAF BRASIL


--------------------------------------------------------------------------------


[1] Bosch, David, God's Reign and the Rulers of this World. P.90-92
This entry was posted on 12:59 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

2 comentários:

On 6 de agosto de 2009 09:13 , Felipe M.Nascimento disse...

Paz em Cristo jesus eu gostei muito do teu Blog é mo benção... ((Veja))www.blog-vidaprofetica.blogspot.com deixe um comentaria blz até logo valeuuuuu...

 
On 27 de novembro de 2009 05:06 , Paulo de Tarso disse...

A PAZ, BONITO BLOG QUERIA FAZER PARCERIA DE BANNER, VISITA O MEU BLOG SE GOSTAR DEIXA UM RECADO LA CONFIRMANDO A PARCERIA http://ochamadoeoide.blogspot.com